O que são PANC?

Acrônimo com sonoridade engraçada, que às vezes remete ao punk (do movimento de rock que nasceu nos anos 70), foi criado recentemente pelo botânico e professor da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Valdely Kinupp para caracterizar aquelas plantas que tem uso comestível/culinário mas que, por uma série de fatores, não são tão comuns no dia a dia das pessoas e nem tem visibilidade econômica…ainda!

Conceito

Plantas alimentícias não convencionais, muitas vezes velhas conhecidas de nossos avós e parentes do interior, algumas delas simplesmente caíram no ostracismo com o crescimento das cidades, sendo relegadas a segundo plano, consideradas como “comida de boi”, “mato”, “comida de pobre”, “famine food”, dentre outras denominações pejorativas. Geralmente são espontâneas, não cultivadas e mais resistentes a pragas, doenças e condições climáticas adversas que a maioria dos legumes, frutas e hortaliças que vemos nos sacolões. Também entram nessa categoria as partes não convencionais de plantas “normais”, tais como: umbigo de banana, medula do mamoeiro, raiz do chuchu, folha de beterraba, dentre outros.

No entanto essa situação vem mudando dia após dia, principalmente depois que alguns chefs e apresentadores de TV começaram a utilizar de algumas dessas plantas em sua cozinha.

Essas plantas geralmente são mais nutritivas do que as que compramos nos mercados e estão menos sujeitas à contaminação por agrotóxicos e agroquímicos, por não serem cultivadas geralmente. Representam muito os conceitos de soberania e segurança alimentar, que tanto estão em voga no discurso ecológico e ambiental contemporâneo.

Na cidade, mesmo com o aparente “sufoco” de prédios e concreto, é possível encontrar inúmeras espécies de plantas comestíveis não convencionais que tem uso na tradição de algumas culturas (não só a nossa). Também é possível visualizar muitas plantas que seu principal uso é ornamental porém possuem uso comestível desconhecido por grande parte das pessoas.

O que é necessário para uma planta ser PANC?

Basta que ela não tenha uso corrente pelas pessoas, não seja facilmente encontrada em supermercados e sacolões, não seja reconhecida facilmente pelas pessoas, não tenha uso comercial em escala, seja de uso tradicional em algumas regiões (algumas vezes o que é PANC para alguém em Minas Gerais não o é para alguém no Pará!).

Ex: Ora pro nobis (Pereskia aculeata) e taioba (Xanthosoma taioba) são bem conhecidas pelos mineiros porém no resto do Brasil praticamente desconhecidas, apesar de serem bem comuns.

Como saber se alguma planta é PANC?

Essa pergunta é quase impossível de ser respondida, pois grande parte do conhecimento relativo às PANC vem de estudos etnobotânicos que remontam as tradições e usos das plantas nas diversas regiões do mundo. Porém, com alguma observação mais atenta e ajuda de amigos botânicos (ou do livro do Kinupp), é fácil reconhecer algumas PANC comuns em ambientes antropizados (modificados pelo homem), tais como: beldroega, caruru, melão de são caetano, picão, etc. Há também grupos no Facebook com discussões interessantes, tais como “PANC” e “Identificação botânica”, e blogs fantásticos sobre o tema: “Matos de comer”, do educador ambiental Guilherme Ranieri, “Come-se”, da nutricionista Neide Rigo, e “Jaca Verde Panc”, de minha autoria. De qualquer forma, se não souber ou não tiver certeza que o vegetal é comestível, não coma!!!

É possível colher algumas PANC na cidade?

Sim, desde que o consumo delas seja ocasional, ou que elas sejam coletadas em lugares onde não há trânsito intenso, nem lixo ou áreas de descarte de objetos próximas ao vegetal. Árvores altas e frutíferas são menos suscetíveis a contaminações do que espécies herbáceas e arbustivas. Todo cuidado é pouco! Plantas em lugares com muito tráfego tendem a acumular metais tóxicos em seus tecidos, sendo o uso de suas partes não recomendável ao longo prazo.

Comendo o seu jardim

É possível fazer um jardim comestível? Claro, basta encontrar espécies que dialoguem seu uso comestível com o uso ornamental que logo se tornam ótimas opções para jardins, internos, externos e verticais!

Está curioso para saber algumas PANC comuns em jardins? Separei aqui algumas bem interessantes e muito usadas no paisagismo!

Beijinho (Impatiens walleriana)
Beijinho (Impatiens walleriana)

1 – Beijinho (Impatiens walleriana) – Além de ser muito usada no paisagismo para dar cor aos jardins, principalmente na sombra, o beijinho é tão espontâneo que nasce aonde bem entender. Dele utilizamos as flores, que podem virar geleia, salada e mousse!

 

 

 

 

2 – Celósia, espinafre africano (Celosia argentea) – Espécie herbácea anual, usada no paisagismo como forração e bordadura de canteiros, a celósia além de ser incrível pela beleza de suas inflorescências, também pode ter suas sementes e folhas utilizadas na culinária, a exemplo de antigas tradições na África, principalmente na Nigéria. Seu sabor se assemelha ao espinafre, que é seu parente próximo (também uma Amaranthaceae!).

À esquerda, Celosia argentea, à direita, Celosia cristata: ambas com mesmo uso na cozinha.

3 – Jasmim manga (Plumeria rubra) – Lindo arbusto muito usado no paisagismo, quem diria, também possui uso na cozinha! Eventualmente podemos cozinhar com suas flores aromáticas, tomando todo o cuidado com seu látex (leite que sai da planta ao ser cortada) que é tóxico! Já fiz geleia e refogado com suas flores, dão um sabor perfumado e muito agradável aos pratos!

Geleia de jasmim manga feita pela Jaca Verde Panc

4 – Costela de adão (Monstera deliciosa) – Essa planta além de ser linda na composição de jardins de sombra, e para contrastar com troncos de árvores, também possui potencial culinário, através de seu fruto, que é uma espiga de cerca de 40 cm formada por pequenos hexágonos que, quando maduros, começam a se soltar. É nessa hora que o fruto está bom para consumo, pois quando verde contém oxalato de cálcio, substância tóxica que irrita a garganta.

Inflorescência da Monstera e fruto imaturo, ao fundo
Fruto maduro

5 – Pata de elefante (Yucca guatemalensis) – A famosa pata de elefante, planta de garbo e elegância em jardins contemporâneos, tem flores e “palmitos” (brotos terminais) comestíveis, com base na tradição de sua região de origem, a América Central. Pessoalmente já comi e achei muito saboroso, tanto suas flores quanto seu palmito!

“Palmito” dos brotos terminais de Yucca sp

6 – Hibisco da china, papoula (Hibiscus rosa sinensis) – Arbusto muito comum nas cidades, o hibisco (que não é o do chá vendido nos mercados!), a exemplo de seus irmãos, H. acetosella e H. sabdariffa (os hibiscos do chá mais comum!), tem flores de variadas cores e folhas jovens comestíveis. Suas folhas soltam uma mucilagem parecida com a da ora pro nobis, muito boa para engrossar caldos! Além disso suas flores são um belo corante.

Hibisco da china, papoula

7 – Paineira (Chorisia speciosa) – Árvore muito usada na arborização urbana de cidades do Sudeste, a paineira sempre nos brinda a cada ano que passa com suas lindas flores rosas, e em épocas de calor, com sua sombra. As suas flores tem delicioso sabor, podendo ser usadas em saladas ou em outras preparações. Há registros também do uso de folhas bem jovens de paineira como hortaliça, no interior de MG.

Murta (Murraya paniculata

8 – Murta (Murraya paniculata) – Super comum nas ruas de Belo Horizonte (e de outras cidades brasileiras), esse arbusto, que é da mesma família do limão (Rutaceae), possui suas flores brancas e frutos vermelhos comestíveis. Segundo Kinupp, eventualmente suas folhas secas podem ser usadas como condimento, pois é “irmã” da árvore do curry (Murraya koenigii).

 

 

Como reproduzir as PANC?

Depende muito da família botânica a que o vegetal pertence. Alguns são difíceis de reproduzir pois são bem espontâneos, “escolhem” onde vão nascer, muitas vezes em locais inusitados: beira de esgoto, frestas de edifícios e calçadas, etc. Se ver alguma PANC pela rua dando frutos e sementes, vale a pena guarda-las para testar sua germinação, muitas vezes são vegetais valiosos que encontramos pelas ruas da cidade! Se não estiverem dando frutos, talvez seja o caso de retirar estacas entre 15 a 20 cm, com um podão limpo, e coloca-las para enraizar em substrato ou areia lavada (mantendo sempre úmido).

Por: Lucas Mourão – Jaca Verde Panc

Para saber mais sobre PANC, confira a Jaca Verde Panc nas redes sociais:
Facebook: www.facebook.com/jacaverdepanc
Instagram: @jacaverdepanc

Todas as fotos são de autoria de Lucas Mourão (Jaca Verde Panc) e todas as PANC fotografadas foram encontradas no ambiente urbano de Belo Horizonte!

Lucia Borges
Author

Lucia Borges Dias, apresentadora do Canal Vida no Jardim é paisagista atuante na área desde 1992. Graduada em Decoração de Interiores, pós-graduada em Paisagismo, é também professora de paisagismo em curso técnico, superior e pós-graduação.

Write A Comment