Author

Lucia Borges

Browsing

7 LINDAS FLORES de SOL PLENO para ter no seu JARDIM

Existem diversas plantas que necessitam de sol pleno para florescer! Porém algumas apreciam climas mais frios, como é o caso das Azaleias e Hortênsias. Como outras se desenvolvem melhor no calor e não suportam frio. Assim foi selecionado sete espécies que florescem bem ao sol pleno nas mais variadas regiões do Brasil.

1) Portulaca ou Onze horas: planta herbácea, suculenta que abrem suas flores nas horas mais quentes do dia. Ótima opção para forrações no Jardim, como também lindas plantas para vasos suspensos!

2) Vinca: planta de fácil cultivo, com flores brancas, rosadas, avermelhadas ou lilases! Formam lindos maciços nos jardins e canteiros.

3) Camará: linda planta arbustiva, de flores multicoloridas que atraem borboletas. Existem varias espécies e são muito colocadas em jardins públicos, por serem de fácil cultivo!

4) Ixora: planta arbustiva com inflorescências duradouras em forma de pequeno ma bouquet. Existem algumas espécies com diferentes tamanhos e coloração de flores que podem ser: alaranjadas, amareladas, rosas e avermelhadas.

5) Hibisco: arbusto de grande porte muito cultivado como cerca viva. Existem diversas espécies e variedades (inclusive comestíveis). Atraem abelhas e beija-flores.

6) Primavera: planta trepadeira de grande porte e fácil cultivo. Com inúmeras variedades de cores nas inflorescências. Necessita de ser apoiada em suportes resistentes.

7) Jasmim Manga:: Árvore escultural de caule suculento e lindas flores perfumadas. Pode ser cultivada em vasos e jardins.

Dicas importantes para o sucesso com essas plantas é adequar a rega. Regue com mais frequência quando cultivadas em climas quentes, em vasos ou na fase de adaptação!

Palmeira Azul
Nome botânico: Bismarkia nobilis

É uma das palmeiras mais apreciadas no mundo atualmente! É majestosa, com caule solitário que chega alcançar mais de 15 metros de altura, sendo que no local de origem, Madagascar, pode crescer até 30 metros. Suas folhas são grandes, rijas, plissadas em forma de leque. Tem a coloração azul-acizentada que se destaca no Jardim! Possui inflorescências com flores discretas, sem valor ornamental! É uma planta dióica, ou seja, possui flores masculinas e femininas em plantas diferentes. Sendo apenas as plantas femininas que, quando fecundadas, produz frutos.

Sobre o cultivo, essa palmeira tropical se adapta bem aos climas subtropicais e temperados que não tenham invernos muito rigorosos. Necessita de sol pleno e grande área para seu melhor desenvolvimento. Não é exigente quanto ao tipo de solo e adubações.

Sobre a reprodução é apenas feita através das sementes. O processo é bem lento. Ideal colher frutos bem maduros, do chão. Retirar a polpa e lavar a semente. Colocar as sementes sobre terra arenosa mantida úmida e na meia sombra. Cobrir levemente com a terra. A germinação pode demorar até cinco meses. Uma dica para acelerar o processo é deixar as sementes de molho em água por uma semana antes de colocar para germinar.

Sobre o uso paisagístico é ideal para se destacar em jardins, podendo ser colocada uma planta ou formar pequenos grupos em espaços maiores. O azulado das folhas se destacam em meio ao verde das outras plantas.

Aproveitando a viagem de férias para o nordeste, tivemos a oportunidade de ver e saborear varias frutíferas tropicais!

Escolhemos sete espécies para ilustrar o vídeo!

Acerola (Malpighia emarginata):

Cultivada em quase todo Brasil, porém mais precisamente no Norte e Nordeste. É nativa das Antilhas.|

 

Cacau (Theobroma cacao):

Cultivado nas regiões tropicais do Brasil. Possui folhas e frutos grandes, com flores pequeninas presas ao caule. A polpa dos frutos podem ser consumida in-natura, como também nos sucos e geleias. As amêndoas secas devem ser moídas para fabricação de chocolates!

 

Caju (Anacardium occidentale):

É nativa do Norte e Nordeste do Brasil. É uma espécie arbórea de copa larga e ramificada, podendo alcançar mais de 10 metros de altura. Uma curiosidade é que o fruto verdadeiro do caju é a cápsula que envolve a castanha. A polpa é um pseudofruto.

 

Fruta pão (Artocarpus altilis):

Árvore nativa da Ásia, muito cultivada nos pomares domésticos das regiões tropicais do Brasil. Tem folhas muito ornamentais que lembra o Imbé. Frutos doces, arredondados e verdes.

 

Jaca (Artocarpus heterophyllus):

Nativa da Ásia e foi introduzida no Brasil no período colonial. Tem frutos grandes que quando maduros são consumidos in-natura. As sementes podem consumidas torradas ou cozidas. É considerada PANC quando consumida ainda verde, tem textura de carne desfiada.


Jenipapo (Genipa americana):

É nativo da América tropical, seu nome em guarani significa fruta que serve para pintar (frutos usados ainda verdes). Quando maduros são doces e usados em licores, xarope ms e doces. Esses frutos tem cheiro forte e bem característico. Essa planta tem diversos benefícios medicinais.

Coité (Crescentia cujete):

Árvore de pequeno porte com frutos esféricos e redondos. Seu nome popular significa vasilha ou panela. Frutos maduros têm cascas rígidas e resistentes, são usados como vasilhas de cozinha e também na produção diversos artesanatos. Da polpa são feitos xaropes e as sementes podem ser consumidas quando cozidas.

NOME POPULAR: Jasmim da Índia

NOME BOTÂNICO: Quisqualis indica

ORIGEM: Ásia

DESCRIÇÃO DA PLANTA:

Arbusto escandente, conduzido como planta trepadeira, de caules longos e semi-lenhosos, que se envergam devido ao próprio peso. Possui folhas verdes, vistosas, com nervuras demarcadas e levemente pilosas. Elas se predem aos pares, opostas no caule. Inflorescência muito decorativa em forma de umbela, com flores perfumada que mudam de cor, o que justifica o nome botânico Quisqualis significa qual que é. As flores se abrem brancas, vão se tornando rosadas e ficam avermelhadas. Surgem principalmente durante a primavera e verão. As flores são muito visitadas por Beija-flor, borboleta e abelhas.

CULTIVO:

O Jasmim da Índia é de fácil cultivo, aprecia climas tropicais, equatoriais e subtropicais.

  • LUZ: aprecia sol pleno
  • REGA: moderada
  • TERRA: rica em matéria orgânica
  • ADUBAÇÃO: rica em fósforo no início da primavera e verão e equilibrada no início do outono.
  • PODA: de condução para melhor apoio no suporte
  • REPRODUÇÃO: através de mergulhia, alporquia ou estaquia feita após a floração.

USO PAISAGÍSTICO:

Essa planta é ótima opção para cobrir pérgulas, caramanchões e pórticos resistentes. Também muito indicada para coroamento de muros.

CURIOSIDADE:

As inflorescências possuem flores voltadas para baixo, dando impressão de estarem murchas.

FAMÍLIA OU GRUPO:_Solanaceae

NOMES DAS PRINCIPAIS PLANTAS: Pimenta malagueta (Capsicum frutescens) , Pimenta-dedo-de-moça (Capsicum baccatum) , Pimenta biquinho (Capsicum chinense) e pimenta-ornamental ou mini-pimentão (Capsicum annus).

ORIGEM: Muitas espécies são americanas, inclusive do Brasil

CARACTÉRISTICAS MORFOLÓGICAS GERAIS: Todas as espécies mostradas são arbustivas da família solanáceas. O Porte varia entre 40 a 1,50m de altura, dependendo da espécie. As maiores necessitam de vasos maiores e as vezes devem ser tutoradas, por causa do peso dos frutos. As flores quase sempre são pequenas e brancas.

CARACTERÍTICAS MORFOLÓGICAS DAS ESPÉCIES:

– Pimenta malagueta (Capsicum frutescens) é bem ardida, com frutos pequenos (3cm) eretos e compridos.
– Pimenta-dedo-de-moça (Capsicum baccatum) tem folhas e frutos semelhantes aos da malagueta, porém são maiores é um pouco menos ardida que a malagueta,
– Pimenta biquinho (Capsicum chinense) tem folhas bem ovaladas e pontiagudas, frutos arredondados com pontinha (biquinho) tem pouca ardência
– e pimenta-ornamental ou mini-pimentão (Capsicum annus), variedades bem coloridas, mais compactadas desenvolvidas de cruzamentos. Podem ser comestíveis, dependendo da variedade é ardida ou não,

CULTIVO:

LUZ: Sol pleno de 4 a 6 horas por dia
REGA: Frequente sem deixar solo encharcado
TERRA/SUBSTRATO: Mistura clássica
ADUBAÇÃO: Equilibrada, de preferencia orgânica
PODA: Limpeza e produção após coleta dos frutos
REPRODUÇÃO: Sementes e estacas

USO PAISAGÍSTICO: Apesar de serem usadas em hortas são muito ornamentais e formam lindos vasos, canteiros e jardineiras

CURIOSIDADES: A capsaicina é a substancia que produz ardência é encontrada nos frutos das pimentas. Elas são classificadas pela quantidade desse composto, quanto maior concentração de capsaicina mais ardida é a pimenta.

NOME BOTÂNICO:_Aphelandra squarrosa

NOME POPULAR: Afelandra, espiga dourada, planta zebra

ORIGEM: Nativa do Brasil

CARACTÉRISTICAS MORFOLÓGICAS: Planta herbácea ereta com porte de 30 até 90cm de altura, conforme a variedade. Folhas grandes, elípticas, alongadas, com nervuras claras bem demarcadas e muito ornamental. As inflorescências são terminais (surgem na ponta dos caules) em forma de espigas amarelas, com flores tubulares amarelas ou brancas, surgem no decorrer do ano (principalmente nas estações mais quentes). Atraem beija-flores.

CULTIVO:

LUZ: meia sombra
REGA: moderada.
TERRA/SUBSTRATO: rica em matéria orgânica
ADUBAÇÃO: rica em fósforo no início da primavera e início do verão, alternando com uma adubação equilibrada no outono.
PODA: de brotação, para estimular a planta ramificar, normalmente feita no final do inverno e poda de limpeza
REPRODUÇÃO: por estacas de caule

USO PAISAGÍSTICO: vasos e jardineiras em ambientes internos com boa claridade, formando maciços ou bordaduras de canteiros na meia sombra

CURIOSIDADES:

– Planta da família dos camarões.
– Existem outras espécies de afelandra com flores avermelhadas
– Tolera climas frios e nestes climas suportam um pouco de sol direto

NOME BOTÂNICO:_Plectranthus saccatus

NOME POPULAR: Ametista

ORIGEM: Nativa da África do Sul, porém existem híbridos

CARACTÉRISTICAS MORFOLÓGICAS: Planta herbácea ramificada, as vezes reptante (quanto cultivada em canteiros) com porte de até 50cm de altura. Folhas ovalada, pilosas, denteadas, verde por cima e arroxeada por trás, levemente aromática. As inflorescências são terminais (surgem na ponta dos caules) em forma de espigas, com flores tubulares lilases e com pintas arroxeadas, surgem no decorrer do ano (principalmente nas estações mais quentes).

CULTIVO:

LUZ: meia sombra (pode receber um pouco de sol nas horas amenas)
REGA: frequência, sem deixar a terra encharcada.
TERRA/SUBSTRATO: Porosa ou fibrosa e rica em matéria orgânica
ADUBAÇÃO: rica em fósforo
PODA: de limpeza ou depois de dois anos uma poda brotação para estimular o enfolhamento
REPRODUÇÃO: por estacas ou mergulhia (caules enraizados)

USO PAISAGÍSTICO: vasos, canteiros, jardineiras, formando maciços ou bordaduras de canteiros

CURIOSIDADES:

– Planta da família do dólar.
– Tolera climas frios e nestes climas suportam um pouco de sol direto

A  jardinagem trás diversos benefícios, as plantas alem de embelezar purificar o ar que respiramos. Porem elas nos ajudam muito mais do que isso, elas aliviam situações de ansiedade e estresse. Estar em um jardim e cuidar das plantas melhora muito nossa qualidade de vida. Obrigada por assistir, curta se gostou do video e se inscreva no canal caso ainda não seja inscrito.

A chegada do verão e o aumento do calor favorecem a reprodução dos mosquitos e pernilongos, assim é importante nos proteger. Além do uso de repelentes, que podem ser naturais ou não, podemos também cultivar plantas aromáticas que repelem naturalmente estes insetos. Dentre elas podemos citar cinco espécies: a citronela, hortelã, manjericão, alecrim e lavanda que além de conter óleos essenciais que repelem pragas também deixam nossas casas mais charmosas.

Em geral as plantas aromáticas e repelentes apreciam sol pleno, regas regulares e terra rica em matéria orgânica. A não ser a lavanda e alecrim que se desenvolvem bem também em terras mais arenosas. Para melhor efeito é interessante ter mais de um exemplar da planta, de preferencia para ser mais eficaz , devemos criar um conjunto ou maciço destas plantas.

Exemplos de plantas e para que são repelentes:

Alecrim: carrapatos, mosquitos, pulgas
Citronela: borrachudos e pernilongos.
Cravo-da-índia: moscas, formigas, traças.
Eucalipto: formigas, moscas e mosquitos.
Extrato de baunilha: moscas e mosquitos.
Hamamélis: Esta erva serve como solvente, substituindo o álcool na composição dos repelentes. Pode ser encontrada em jardins de verão ou em lojas de produtos orgânicos.
Hortelã: carrapatos, formigas, moscas, mosquitos, percevejos.
Lavanda: mosquitos.
Laranja ou limão: moscas.
Manjericão: moscas e mosquitos.
Poejo: formigas, moscas, mosquitos, pulgas e traças.
Sálvia: moscas, mosquitos, abelhas, besouros e mariposas.
Tomilho: pulgas e percevejos.

RECEITAS DE REPELENTES

Repelente natural à base de citronela

Para produzir o repelente natural, será necessário:

– 200 gramas de citronela

– 1 litro de álcool 70%

– Um vasilhame escuro

Como preparar:

Pegue as folhas de citronela e misture com ½ litro de álcool 70% em um vasilhame escuro e mantenha tampado por 8 dias em local seco e sem iluminação. Deve-se agitar todos os dias, duas vezes ao dia. Depois disso, coar as folhas e adicionar mais ½ litro de álcool.

Outra forma simples também, que pode ser utilizada para ambientes, é cortando suas folhas e expondo ao ar livre, isso já é suficiente para que a planta solte seu odor.

Se você tiver um difusor de água, deixe-o em ambientes de até 16 m² e pingue três gotas de óleo essencial de citronela na água a cada cinco horas. Isso também ajudará a manter os pernilongos afastados.

Uma outra opção é fazer velas caseiras de citronela e deixá-las acesas nos cômodos: além de ser uma alternativa ecologicamente correta, a sua casa estará protegida e com um aroma agradável, semelhante ao aroma do eucalipto.

Repelente natural à base de ervas secas ou frescas

Se você preferir, para produzir um repelente natural, você também pode utilizar a erva in natura. Para isso, você vai precisar de:

– Água natural fervida;

– Folhas de hamamélis ou álcool;

– Ervas a sua escolha: hortelã pimenta, hortelã, citronela, alfazema.

É recomendável utilizar pelo menos uma espécie de hortelã para dar maior eficiência ao repelente.

Como preparar:

Utilize um copo de água fervida (~200mL) e acrescente de 3 a 4 colheres de sopa da erva. Mexa bem, cubra e deixe esfriar (cobrir é importante para manter os óleos voláteis dentro). Depois de resfriado, coe as ervas e misture a solução com uma xícara de hamamélis ou álcool. Por último, armazene em um frasco de spray e mantenha a solução na geladeira.

Repelente caseiro para borrifar no corpo

Para esta receita, utilize 500 ml de álcool; 2 colheres de sopa de cravo da índia e 100 ml de óleo de amêndoas doce.

Coloque o álcool numa garrafa de vidro de 1 litro e adicione os cravos. Deixe o cravo no álcool por 4 a 8 dias, agitando algumas vezes durante o dia – quanto mais agitado e infuso, mais concentrado fica. Dessa forma, o álcool extrai o óleo essencial do cravo. Depois do tempo determinado, acrescente o óleo de amêndoas e coe tudo.

Ponha em frascos com tampa borrifadora e aplique em determinadas regiões do corpo, as mais expostas. A reaplicação deverá ser realizada de 6 em 6 horas.

Repelente natural de Limão ou Laranja

Você vai precisar somente de:

– Uma unidade de Limão ou Laranja

– De 15 a 20 cravos da índia

Como preparar:

Selecione uma das frutas e parta ao meio. Em seguida, espete os cravos da índia na superfície da fruta cortada. Isso será o suficiente para que o odor dos cravos se espalhe pelo ambiente afastando os insetos.

Além do uso de plantas repelentes é importante alguns cuidados para evitar os mosquitos, como: não deixar água nos pratos dos vasos, não deixar recipientes sem tampa com água e colocar areia nos pratos dos vasos.